Archives

Escritório responsável: Embyá Paisagens & Ecossistemas O edifício gera perspectivas que valorizam a paisagem e a integração com o entorno, se abrindo generosamente para a cidade e paisagem. Entende-se com essa conformação, estimular o encontro e a convivência como forma de promover e instigar as mais diversas possibilidades, de manifestações culturais e artísticas. Autores do projeto de Desenho Urbano e Paisagismo: Duarte Vaz, Elena Geppetti, Bruno Amadei, Isadora Riker e Victor Huggo Fernandes Autores do projeto de Arquitetura: Gustavo Martins, Pedro Rivera e Vitor Garcez

Escritório responsável: Embyá Paisagens & Ecossistemas O edifício gera perspectivas que valorizam a paisagem e a integração com o entorno, se abrindo generosamente para a cidade e paisagem. Entende-se com essa conformação, estimular o encontro e…

COBERTURA PARQUE PAVUNA

Escritório responsável: Embyá Paisagens & Ecossistemas Vídeo: https://youtu.be/-glk7R0y_iE O Parque Carioca Pavuna, com área total de 17.303m², será um importante equipamento urbano de escala local que oferece atividades esportivas, de lazer, recreação infantil, estimula a integração e convívio social, e confirma o senso de comunidade através do seu programa que convida à contribuição e participação cidadã, começando por três importantes construções: o edifício da administração do Parque, formado por áreas de depósito do parque e comlurb, salas administrativas, além de sanitários e vestiários. Área de marquise, que abriga quatro quiosques e sanitários, é pensada de maneira a ocupa o espaço periférico da fração norte do Parque, localizando-se junto aos acessos principais, e uma escultura metálica de envergadura vertical, que não só caracteriza-se por ser evidentemente um marco na paisagem do Parque, como também atente uma função estrategicamente importante para a região, pois também “é fonte de água”, brotando de um espelho d água, cuja área que o circunscreve, estende-se até a praça que acolhe os quatro quiosques. A administração e os quiosques são projetados a partir de uma estrutura concreto armado, cujas alvenarias são formadas por elementos vazados de concreto, aderindo a desejo funcional, técnico e construtivo, a fim de, garantir longa integridade ao conjunto edificado. Cabe destacar que parte das lajes destes edifícios e suas marquises recebem telhado verde que apresenta, de maneira prática aos visitantes, o debate educativo sobre a sustentabilidade. Os elementos gráficos projetados para percorrer o Parque Pavuna e caracterizarem certos usos aderem também as paredes desses edifícios, assim como acontece no piso das áreas esportivas, nas muretas e em outros trechos. Dessa maneira, o projeto do Parque compõe um todo único, evidenciando a não existência de zonas fechadas…

Escritório responsável: Embyá Paisagens & Ecossistemas Vídeo: https://youtu.be/-glk7R0y_iE O Parque Carioca Pavuna, com área total de 17.303m², será um importante equipamento urbano de escala local que oferece atividades esportivas, de lazer, recreação infantil, estimula a integração…

PARQUE PAVUNA

Escritório responsável: Embyá Paisagens & Ecossistemas Prêmio do IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil) na categoria de Urbanismo, Planejamento e Cidades, na 60 Premiação Anual. A Praia das Pedrinhas localiza-se no bairro Boa Vista em São Gonçalo, na margem leste da Baía de Guanabara, entre a Rodovia Niterói Manilha (BR-101), as águas da baía, e trecho remanescente de manguezal. A praia é um importante ponto turístico da cidade, que atrai visitantes da região metropolitana para os bares e restaurantes com ampla vista para o pôr-do-sol. O local também abriga uma Colônia de pescadores que faz uso cotidiano da praia como local de trabalho e espaço de convivência, de modo que os barcos e redes de pesca são parte intrínseca da paisagem. Apesar da importância cultural e ambiental da baía, seu acentuado processo de degradação por meio da poluição e ocupação urbana desordenada tem gerado um afastamento da população, além de prejudicar a comunidade pesqueira. As recentes obras de urbanização na orla acabaram agravando o distanciamento da praia, ao reduzir a faixa de areia e elevar o nível da via para protegê-la da variação das marés. O projeto busca uma reconciliação com a Baía de Guanabara, apresentando diretrizes que conduzam para um reequilíbrio ecológico da paisagem, com a inserção de elementos que sirvam como suporte para as atividades culturais existentes, ao mesmo tempo em que promovem a regeneração, acesso e celebração das águas e ecossistemas litorâneos. Considerando as diferentes demandas do território, foram propostas diretrizes específicas para cada trecho da orla. Como a área da Colônia de Pescadores é um local intimamente associado à pesca, foram propostos píer, rampas para barcos, e uma estrutura multifuncional de apoio aos pescadores, procurando melhorar o desempenho do espaço…

Escritório responsável: Embyá Paisagens & Ecossistemas Prêmio do IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil) na categoria de Urbanismo, Planejamento e Cidades, na 60 Premiação Anual. A Praia das Pedrinhas localiza-se no bairro Boa Vista em São…

PRAIA DAS PEDRINHAS

PAISAGEM E POESIA A ressignificação do território vivido e em constante transformação por meio de um olhar local e íntimo Habitamos em realidades culturais, mentais e temporais. O desafio de desenvolvermos uma proposta de intervenção urbana na orla de Charitas não representa apenas a oportunidade de ressignificação de um espaço ocupado de forma heterogênea e coletiva. O entendimento de seu significado plural acolhe memórias, saberes, lembranças e esperanças. Seu espaço urbano é repleto de conflitos, assim como encontramos em diversas outras áreas banhadas pelo mar em cidades brasileiras, muitas vezes alienadas e descompromissadas com os inúmeros personagens da vida cotidiana, que dão identidade ao território. No entanto, é importante reconhecermos, que Niterói carrega consigo um sentimento de inquietação social, que vem estimulando, historicamente, novas perspectivas de transformação de seu território através do desenho urbano e da arquitetura, e por essa razão, fazendo estreita e necessária relação “dialógica” entre baía e espaço pré-existente. Nossa realidade existencial e vivida é uma condição expressa, em camadas e em constante oscilação, e nesse sentido, propomos pensar o projeto de maneira a dar ênfase a inclusão do sujeito no processo de leitura e compreensão da obra, resultando em um projeto de planejamento urbano e de desenho intertextual, cujo significado somente pode ser construído através da experiência provida pela percepção e interação do sujeito para com o espaço, pois a verdadeira beleza do lugar, é aquela que causa surpresa e remete ao imaginário coletivo. Portanto, nosso projeto para a Orla de Charitas, é resultado do processo de experiência entre homem e espaço, e não apenas, pela eficiência de sua funcionalidade, apelo à forma, e mesmo, pelo desejo de agentes mais poderosos. É necessário, nesse contexto, considerarmos a ética a partir…

PAISAGEM E POESIA A ressignificação do território vivido e em constante transformação por meio de um olhar local e íntimo Habitamos em realidades culturais, mentais e temporais. O desafio de desenvolvermos uma proposta de intervenção urbana…

ORLA DE CHARITAS

CENTRO CULTURAL GALPÕES DO CAFÉ

CENTRO CULTURAL GALPÕES DO CAFÉ

CENTRO CULTURAL GALPÕES DO CAFÉ

O Espelho do Outro A intervenção sócio-espacial em comunidades de baixa renda sempre perseguiu, de maneira generalizada, a idéia de que as urbanizações deveriam partir da análise e identificação das potencialidades dos núcleos existentes em seu interior. Estes núcleos - equipamentos públicos ou conjuntos de habitações existentes - se conectam a novos equipamentos inseridos nas margens das comunidades através de uma nova malha viária, possibilitando a interligação entre a favela e o restante do tecido urbano. Este cenário, repetidamente experimentado, apresenta uma postura unilateral com relação ao dialogo proposto com a cidade. Assim, a favela, na maioria das vezes, é a responsável pela busca da conexão entre as partes. Nossa proposta, no entanto, se baseia na bilateralidade, onde não só a favela busca se conectar com o tecido da cidade, mas a própria cidade passa a exercer o mesmo movimento de troca com relação à favela. Esse argumento não se baseia somente nas alterações espaciais fundamentais para recuperação de uma área degradada; ele pretende mostrar que o resultado físico do processo de reconhecimento e aceitação entre as diferentes partes passa pela constante consciência do papel exercido por cada agente no processo de transformação da cidade, onde o bairro e a favela conversam e se aceitam. Onde tudo é cidade. Colaboradores: Arq. Raissa Rocha Ana Beatriz Peixoto, Tapio Rossato, Vitor Cunha e Jan Kudlicka  

O Espelho do Outro A intervenção sócio-espacial em comunidades de baixa renda sempre perseguiu, de maneira generalizada, a idéia de que as urbanizações deveriam partir da análise e identificação das potencialidades dos núcleos existentes em…

MORAR CARIOCA